Você sabe a diferença entre ecumenismo e diálogo inter-religioso?

Entenda a diferença de ecumenismo e diálogo inter-religioso com a Cidade Nova.

por Web Master   publicado às 00:00 de 04/07/2019, modificado às 11:20 de 05/07/2019

Ecumenismo e diálogo inter-religioso são práticas muito valiosas para a Editora Cidade Nova por serem a base da nossa missão de contribuir com mundo mais fraterno, unido, por meio das nossas ideias e conteúdos.

Mas nesses anos de estrada, percebemos o quanto esses conceitos ainda são confundidos pelas pessoas. Não que isso interfira no que eles representam de mais importante, que no fim, é a paz e o respeito entre os povos.

No entanto, deixamos aqui nosso contributo.

Ecumenismo

Papa Francisco e Patriarca Bartolomeu

De acordo com o Dicionário Michaelis, o ecumenismo tem dois significados bastante próximos:

1. Movimento nas igrejas cristãs que prega a paz mundial e a intensificação da divulgação do Evangelho.

2. Movimento que prega a união de todas as igrejas cristãs.

A socióloga Sandra Ferreira explica que ecumênico pode ter, na verdade, um sentido popular e um religioso, mesmo que o religioso seja o mais utilizado e conhecido. “No sentido popular significa aberto ao diferente, disposto ao diálogo com quem pensa diferente. No sentido religioso e acadêmico indica o diálogo entre as Igrejas cristãs em vista da reconciliação entre os cristãos.”

O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs no Brasil faz uma reflexão muito apropriada sobre o ecumenismo e o que significa ser ecumênico.

“Para muitos, o ecumenismo é apenas a reunião de determinadas igrejas cristãs que se toleram em alguns pontos de fé. Para outros, ecumenismo é, de fato, um bonito ideal, mas que nunca será alcançado. Porém, muito mais que a reunião de igrejas, e bem mais que um mero ideal, o ecumenismo é a concretização da prática cristã alicerçada no amor, aquele sentimento que “nunca falha” 1 Cor. 13:8.”

 

Rezar, evangelizar, servir juntos: isto é possível. Caminhar juntos, rezar juntos, trabalhar juntos: eis a nossa estrada-mestra.” Papa Francisco, 2018

 

Diálogo Inter-Religioso

Líderes religiosos reunidos

Enquanto o ecumenismo diz respeito ao diálogo entre Igreja cristãs, o diálogo inter-religioso busca uma relação de diálogo e respeito entre religiões e grupos religiosos.

Essa busca tem como base a conhecida Regra de Ouro, ou a chamada Ética da Reciprocidade, presente nos mais diversos credos, como imperativo moral: “Faça aos outros o que gostaria que fosse feito a você e não faça aos outros o que não gostaria que fosse feito a você”.

Veja como a Regra de Ouro é apresentada em diversas religiões (da Wikipedia):

No zoroastrismo (cerca de 660 - 583 a.C.)

Um caráter só é bom quando não faz a outros aquilo que não é bom para ele mesmo. − Dadistan-i-Dinik 94:5

No budismo (cerca de 563 - 483 a.C.)

Não atormentes o próximo com aquilo que te aflige. − Udana-Varga 5:18

No confucionismo (cerca de 551 - 479 a.C.)

Não façais aos outros aquilo que não quereis que vos façam. − Analectos de Confúcio, 12.2 e 15.24

No hinduísmo (cerca de 300 a.C.)

Esta é a suma do dever: não faças aos demais aquilo que, se a ti for feito, te causará dor. − Mahabharata (5:15:17)

No judaísmo (cerca de 200 d.C.)

O que é odioso para ti, não o faças ao próximo. Esta é a lei toda, o resto é comentário. − Talmude, Shabbat 31ª

No islamismo (cerca de 570 - 632 d.C.)

Nenhum de nós é crente até que deseje para seu irmão aquilo que deseja para si mesmo. − Suna

No cristianismo (cerca de 30 d.C.)

Portanto, tudo que quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles. − Jesus, no Sermão da Montanha,Mateus 7:12

 

A partir dela, são baseadas todas as ações em prol do respeito mútuo e do diálogo entre os mais diferentes grupos religiosos. 

 

 

 

Tags:

diálogo, ecumenismo

Confira também

RevistaEspiritualidade / Comportamento

Novembro / 2017

Família, primeira célula de comunhão
por CHIARA LUBICH
RevistaComportamento / Política

Novembro / 2017

Conservador ou progressista
por KLAUS BRUSCHKE
RevistaSociedade / Comportamento

Outubro / 2017

Afinal, o que é criticar?
por KLAUS BRUSCHKE